Sobre gente que diz que ouve brega “pra tirar onda”

quem me conhece e/ou lê meu twitter sabe que eu gosto de brega. muito. ouço com frequencia e to sempre procurando novos ~ritmos~ cada vez mais sensuais. e eu não to falando de gostar no sentido da graça, pra “tirar onda”, como a galera diz. to falando de gostar MESMO. eu sei que eu não preciso afirmar isso assim tão categoricamente porque todo mundo sabe, mas GENTE eu a-do-ro brega, to falando serião.

melhor que beatles

agora CLARO, tem toda uma diferença entre gostar e ~gostar~ rs pra fazer uma comparação simples e vocês entenderem bem do que eu to falando, vamos falar de filmes.

quase tao bom quanto cinderela baiana assistam

um dos meus filmes preferidos é esse aí de cima, o 2046 de wong kar wai. gosto muito desse filme porque 1) tem uma história incrível; 2) direção inspiradíssima; 3) fotografia impecável e 4) é um dos únicos filmes orientais que eu consegui relevar o fato de que eu mal sei diferenciar um ator do outro (confessei).

agora sabe outro filme que eu gosto? esse aqui, ó:

de repente 38 segundo a wikipedia

agora chega mais, sério, chega aqui mas fique aí mesmo e me responde: por que diabos eu gosto desse filme? é por que tem uma história incrível, direção inspiradíssima e fotografia impecável? por favor né dona marivalda CLARO QUE NÃO???? o único desafio intelectual que esse filme propõe é o de você tentar entender como as pessoas conseguem fazer a coreografia de thriller todinha sincronizadamente sem nunca terem ensaiado antes.

apenas sydney bristow e sua peruca teriam conseguido esse feito

pois é meua migo, eu gosto desse filme por um único e simples motivo: porque é divertido. precisa de mais alguma coisa? preciso ter vergonha? preciso dizer que eu assisti as 547 reprises da fox “só pra tirar onda”?

eu poderia fazer essa comparação com milhões de outras coisas, tipo hamlet e harry potter ou six feet under e two and a half men ou AF JÁ DEU PRA ENTENDER AONDE EU QUERO CHEGAR NÉ

uma música não precisa ser uma puta de uma inovação artística pra gente gostar. não precisa ter thom yorke gemendo ou bjork gemendo ou algum outro gay europeu famoso gemendo pra poder, sei lá, inspirar a gente de alguma forma. ela pode simplesmente ser divertida, engraçada ou mexer com suas emoções de alguma forma bem estúpida. tem gente que sente isso ouvindo jovem guarda, ou fagner, ou total eclipse of the heart.

nada evaristo

nada mesmo. é apenas sua liberdade individual, sua subjetividade, sua liberdade poética de ouvir banda djavu e pensar PQP BOM P CARALHO VAI DIZER???// claro que eu sei que banda xeiro verde aint no smashing pumpkins, minha gente, mas cá entre nós: entre ouvir smashing pumpkins sem a darcy e ouvir o brega do pica pa no brega náite, eu fico com o pica pau, viu? DESCLP A SINCERIDADE

então a dica é: se você gosta de brega, não tenha vergonha. assuma isso para a sociedade. vista seu shortinho, coloque sua barriguinha de fora e seja feliz. e se você quiser mais informações sobre brega e outros ritmos europeus famosos, clique aqui e seja feliz.

apresentando: o brega do pica pau


é porque eu não consigo parar de rir, minha gente, será que sou idioto? Todos: SIM

essa é pros recifenses

pernambucano da cabeça chata que se preze sente um arrepio na virilha ao ouvir os versos: “já são cinco da manhã e eu não dormi quase nada…”. é quase um mantra do pessoal daqui. não tem quem não se emocione. é bonito, é sincero, é poético, é brega raíz (WAT).

enfim, pra essas pessoas eu dedico ESTE video:

e só pra deixar bem claro que eu dou valor às minha raízes fica aqui minha homenagem ao mestre chico science:


recife manguetown